1089
Páginas Visualizadas Hoje

Autor: Carlos Alberto - Data: 02/03/2020 15:07

Grupo de professores contrários à greve externa seus motivos

O grupo que se mantém ativo pedirá à Justiça para para lhes assegurar o direito de darem aulas
Facebook Twitter LinkedIn Google+ Addthis Grupo de professores contrários à greve externa seus motivos

Oito professores da Escola Estadual Dr. Benedito Leite Ribeiro (Ginásio) solicitaram, nesta segunda-feira, 2 de março, espaço ao Jornal JOGO SÉRIO para externarem os motivos pelos quais são contrários à greve, que começou no último dia 11, por recomendação do Sindicato Único dos Trabalhadores da Educação em Minas Gerais. Incomodados com os transtornos da paralisação, os educadores que mantêm-se ativos no interior das escolas pretendem obter na Justiça o direito de darem aulas.
"Não somos contra a greve, mas entendemos que não seria a hora deste movimento acontecer. Isso tudo foi gerado depois que o Governador deu um aumento aos militares, mas isto já foi revogado pelo STF, pois o Estado não tem dinheiro para honrar nem este compromisso! Então, é lógico que também não terá condições de reajustar o salário dos professores", ressaltou uma professora, com quem o Jornal falou nesta manhã, em frente ao Estadual (ela, inclusive, foi enviada pelos companheiros para esclarecer a não adesão à greve).
Com as aulas suspensas já há vinte e cinco dias, os professores que não aderiram ao movimento manifestam sua preocupação e chegam a desmentir as versões dos grevistas: "Os alunos já praticamente perderam as férias de julho e os sábados, além dos feriados prolongados. Aliás, o aluno tem direito à falta, mas o professor não! Sobre o piso salarial, que seria em torno de R$ 2.800,00 somente para o trabalhador que cumpre 40 horas semanais, não é nosso caso. Nós, do Ginásio, Polivalente, Nossa Senhora, Dona Queridinha e Major Luiz Zerbini trabalhamos 24 horas semanais. Então, se fizermos os cálculos, nosso salário deveria ser R$ 1.700,00, mas hoje está em R$ 1.900,00.", afirmou a docente.

Hostilização e Poder Judiciário
Ainda com relação ao pedido para falarem via JOGO SÉRIO, os pofessores criticaram o modo como seu posicionamento está sendo tratado nas redes sociais: "Chamamos o JOGO SÉRIO porque foi feita uma matéria com os professores participantes da greve, os quais estão menosprezando a nós, que estamos trabalhando aqui na Escola Dr. Benedito. Vários professores fizeram comentários maldosos contra nós, que também queremos ganhar bem, mas não assim! A greve foi muito mal arquitetada, sendo que nem os alunos, nem seus pais, foram informados. Passsaram uma lista entre os professores, mas sabemos que ela não tem valor jurídico. Estamos amparados pela lei para trabalhar! Erramos, na semana passada, em termos chamado os alunos para retornarem, pois o fizemos via redes sociais particulares. Então, conforme a Delegacia Regional de Ensino, as direções das escolas terão de emitir comunicado oficial, pois a greve é parcial, há professores trabalhando sim e estamos aguardando hoje um pronunciamento da Secretaria de Educação. Vamos recorrer, se for preciso, ao Ministério Público ou até o Poder Judiciário, pois queremos dar aula", finalizou a representante dos educadores contrários à paralisação, em Guaxupé.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.







  • priscila - 06/03/2020 13:14
    muito bem... so quero ver quando voltar, eles colocar reposicao e provas no sabado... meus dois filhos nao vão.. nao sao obrigados a estudar final de semana.eles tbm tem seus direitos.
  • Érica costa - 03/03/2020 09:27
    Eu gosto muito das reportagens do JS mais acho q vcs deveria ser mais esclarecidos em suas matérias dando nomes as pessoa

Quem Somos

Redação: R. Dr. Joaquim Libânio, nº 532 - Centro - Guaxupé / MG.
TELs.: (35) 3551-2904 / 8884-6778.
Email: jornaljogoserio@gmail.com / ojogoserio@yahoo.com.br.